1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Quinta, 23 de Novembro de 2017

O Elogio da Bobagem: palhaços no Brasil e no mundo

PDF Imprimir E-mail

 

Elogio bobagemAutor: Alice Viveiros de Castro

Editora: Editora Família Bastos/Petrobrás

Ano: 2005

Edição: 1º Edição

Páginas: 274

Onde Encontrar: disponível em PDF abaixo

 


Sinopse: 

Se a alegria faz parte do brasileiro, o circo e sua magia fazem parte da alegria. E alguém imaginaria um circo sem palhaço? O palhaço brasileiro vem de raízes diferentes e se expressa com linguagem absolutamente pessoal nas diversas regiões do país. Há desde o animador das pastorinhas ao Catirina do bumba-meu-boi, chegando aos palhaços de circo que fizeram escola e a alegria de gerações. Este livro aborda também outro aspecto deixado de lado quando se fala em palhaço - sua função social, direta e sem disfarce. São os 'Doutores da alegria' nos hospitais, os 'Palhaços sem fronteiras' nas zonas de conflito armado. Este livro traz os seguintes temas - Palhaços sagrados e profanos; O cômico na Idade Média e no Renascimento; O clown e o palhaço de circo; E no Brasil?; Um jeito brasileiro de ser palhaço; Palhaços de folias e folguedos; Grandes palhaços do Brasil; A festa continua!; A ética do riso.

NOVIDADE! NOVIDADE! NOVIDADE!

Um dos melhores presentes que a Equipe Circonteúdo recebeu de Alice Viveiros de Castro para compartilharmos com todxs: a disponibilização em pdf de sua obra prima O Elogio da Bobagem – palhaços no Brasil e no mundo.
Junto com o livro realizamos entrevista inédita com a autora. CONFIRAM !!!

Livro disponível em PDF abaixo.

Confira o vídeo entrevista com a autora, relizada pela equipe do Circonteúdo
.

Leia Mais:


O Elogia da Bobagem acessível a todxs!
Erminia Silva

Para quem conhece Alice Viveiros de Castro, não há dúvidas da importância da publicação deste livro. Desde 2005, ele se transformou numa das principais referências bibliográficas, notas de rodapé, citações, etc. Agora, nessa nova etapa midiática, disponibilizado com exclusividade para publicação on line em pdf no Circonteúdo, a autora, minha amiga e afilhada, reafirma seu papel em prol do circo, e, principalmente, sua alma educadora.

Para aproveitar a divulgação do livro, O Elogio da Bobagem, realizamos uma entrevista com Alice na Escola Nacional do Circo. Todas as entrevistas que nós, equipe do Circonteúdo, temos realizado com circenses, são verdadeiras aulas, cursos de formação político/afetiva em prol do circo e circenses. Com a Alice é a mesma coisa. Sugiro que os arte-educadores circenses de qualquer linhagem – de circo itinerante de lona, de escola de circo, de circo social, de escola de circo de garagem, galpão, fundo de quintal, das praças, das ruas, dos grupos e trupes de artistas (autônomos e autodidatas) das academias de ginásticas –, coloquem este vídeo para assistirem e aprenderem. O que? Tudo. Tudo e muito mais que a sensibilidade de cada um permitir.

A trajetória artística e militante de Alice só confirma isso. Ao observarmos um pouco seu currículo, vemos: atriz, diretora de teatro, especialista em circo – se autodefinindo como acrobata mental. De acordo com sua apresentação foi também: vedete de teatro de revista com Luiz Mendonça, contra-mestra do Pastoril, comediante de televisão. Abraçou o circo em 1979 quando conheceu Gugu Olimecha, Oscar Polydoro e Labanca.

Enquanto militante sindical foi Conselheira do antigo Inacen representando os circenses e virou pesquisadora e especialista em circo. Trabalhou na Funarte, deu (e dá) aulas na Escola Nacional de Circo, e muitos outros espaços de formação, foi jurada do Festival de Circo de Wuqiao (China), coordena diversas pesquisas junto a grupos de várias origens artísticas, organiza as seleções de artistas para o Cirque du Soleil, é uma das fundadoras do Comitê pró-criação da Associação Nacional de Pesquisadores de Circo, foi representante do Circo no Conselho Nacional de Política Cultural e parceira/cúmplice de todos aqueles que adoram a arte das proezas e das bobagens.

Nós, pesquisadores circenses, temos a necessidade de nos cercarmos de fontes, sejam elas bibliográficas, fotográficas, causos, relatos, discos, partituras, jornais, revistas, catálogos, memorialistas, entre muitas outras coisas. No fazer de Alice e no seu livro isso sempre esteve claramente presente, pois além de seu amor pelos circenses, seu trabalho junto à antiga Fundacen e à Funarte, inseriu-a no meio de um dos maiores centros de documentação sobre o circo, que é a Biblioteca da Funarte, na Rua São José, 50, no Rio de Janeiro.

Agora, falando do livro propriamente dito. No O Elogio da bobagem, o que mais se encontra é a aplicação de todo este conjunto de experiências vividas pela autora, que coloca em prática uma boa dose de seu acervo documental, misturado com diversas entrevistas, causos e memórias. E esta mistura produz um resultado positivo e interessante. Isso, por si, já entra em contradição com certo senso comum que existe entre jornalistas, pesquisadores e até mesmo estudantes que afirmam que, no Brasil, ou não se tem nada escrito sobre o tema, ou são apenas memórias, textos baseados “meramente” em fontes orais.

A partir da reunião de diversas fontes, Alice consegue fazer uma discussão direta com alguns autores que escreveram ou escrevem sobre o tema palhaço. Debate com eles os mitos de origens, ou seja, o fato de privilegiarem as experimentações de procedências européias, americanas e russas. Eles não só têm apenas como referência toda uma bibliografia estrangeira sobre o tema, como descrevem detalhadas biografias de artistas daquelas origens, desde século XVIII até o XX. Uma das questões que a autora levanta é o problema de que são unicamente a partir dessas leituras que muitos olhares sobre as produções dos personagens clowns/palhaços foram e são construídos pelos diversos grupos artistas e pesquisadores.

Desde a década de 1980, existe uma expansão de produções, acadêmicas ou não, voltadas para as histórias dos circos no Brasil, como também em toda a América Latina. Estas histórias têm características singulares que as diferencia das histórias de outros lugares, principalmente nas formações e atuações dos artistas que se tornaram palhaços. Isso não quer dizer que Alice não estude os artistas que criaram seus palhaços em outros países, e que tiveram uma contribuição importante na produção dos artistas brasileiros, mas isso não se confunde com dizer que eles foram “os únicos modelos” copiados.

Com o livro fazemos uma viagem no tempo, na qual a autora desenvolve um processo de costura das várias máscaras do palhaço. Ao afirmar que ninguém é dono de nada, revela a multiplicidade, diversidade e as várias possibilidades em aberto que estas máscaras foram experimentadas, seja em 1500 como em 2006. Esta viagem nos fala do riso como instrumento sagrado, afugentando os maus espíritos e aproximando homens e deuses; dos palhaços sagrados da Índia, da África, da antiguidade e dos índios americanos. Conhecemos o Danga, pigmeu da África central, perito em mímica e danças grotescas que alegrava o coração do faraó em Tebas; os chineses que faziam rir o povo e o Imperador; parasitas nos orgias gregas; stupidos e cicirrus em Roma. Destaca a história de Philemon, palhaço martirizado e santificado em Roma, o santo palhaço!

Fala-nos ainda sobre os jograis, arlequins, graciosos, bufões, truões, Commedia dell’Arte, revela a importante história de Tabarin. Nestas descrições, esclarece que todos passaram por processos de permanências e transformações, e construíram múltiplas formas de serem palhaços e clowns. Não deixa, é claro, de falar dos “tempos modernos”, as origens do circo que conhecemos hoje e seus muitos artistas. No livro, Alice mostra como Pindorama vira Brasil pelas graças de Diogo Dias, um palhaço na caravela de Cabral. Fala que na morte de Tiradentes teve festa e palhaçada. Gostosamente nos relata sobre os palhaços dos folguedos: Mateus e Bastiões, palhaços das Folia de Reis, o Velho do Pastoril e os Mateus dos Bois e do Mamulengo. Dos intrépidos viajantes no Brasil colônia e nos primórdios do Império. De Martins Penna e o Circo! A Festa do Divino e a Barraca do Telles: bonecos, ginastas, circo e teatro no mesmo espetáculo.

Mas, para além do texto escrito, uma riqueza inestimável em seu livro é o conjunto de fotos de artistas e seus palhaços, desde a antiguidade até os dias atuais. Acrescente-se a isto a homenagem que faz a dezesseis palhaços brasileiros: Passarola, Polydoro, Políbio, Frank Brown, Benjamim de Oliveira, Eduardo das Neves, Dudu, Chicharrão, Piolin, Picolino I e II, família Pereira e Pery, Carequinha, Arrelia, Xupetin e Cochicho, Topetão. No final, nos apresenta os palhaços e palhaças que ela denominou de “3° milênio”, que estão por aí, não mais exclusivamente sob a lona, mas pelas ruas, palcos, televisões, etc.

Alice escreve que pretendeu contar a história do personagem palhaço, com o objetivo de “ajudar os futuros palhaços a compreenderem melhor as imensas possibilidades do seu papel social. Que cada um se sinta à vontade para realizar suas escolhas: que riso provocar? Rir do que? Com quem? Reservou um espaço todo especial para a ética no final deste livro. Compreendendo melhor o que é um palhaço podemos escolher com mais consciência o palhaço que queremos ver e o que queremos ser”.

Acho que ela conseguiu realizar isto com o seu trabalho.
Aproveitem a leitura, mas se não quiserem ler, deliciem-se com as fotos.

E por falar em fotos, para que o Site Circonteúdo alcance seus objetivos, como: consolidar a construção e produção do resgate e recuperação tanto da memória, quanto dos saberes sobre a arte circense, no Brasil; constituir-se enquanto um veículo da e na web, interativo e acessível ao conjunto dos protagonistas deste campo artístico, na perspectiva de aprofundá-lo como uma das referências para a (e na) produção e divulgação de estudos, pesquisas e trabalhos artísticos, além de instigador de debates culturais, sobre esta arte, na sua multiplicidade, polifonia e polissemia; é fundamental que todos seus usuários sigam os Termos e Condições de Uso, apresentados a seguir.

Código de Conduta do Site Circonteúdo

Devido a grande dificuldade de fiscalizar o cumprimento deste código e evitar violações que um ambiente como a Internet propicia, pedimos que os usuários do Site, voluntariamente, tornem-se co-responsáveis pelo seu cumprimento, comunicando aos organizadores do Site Circonteúdo qualquer irregularidade. Essa cooperação é indispensável para que todos tenham sua privacidade respeitada e a segurança do sistema seja garantida.

O Site Circonteúdo tem como política promover o acesso universal e gratuito a seu acervo de obras, informações, matérias, artigos, estudos assinados, depoimentos, fotografias, ilustrações, vídeos e áudios. Para isso o conteúdo do Site está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 2.5 License , a qual define que o usuário pode:

copiar, distribuir, exibir as obras, informações, matérias, artigos, estudos assinados, depoimentos, fotografias, ilustrações, vídeos e áudios sob as seguintes condições:
dar crédito ao autor original, da forma especificada por esta licença;
é vedada a utilização de quaisquer obras, informações, matérias, artigos, estudos assinados, depoimentos, fotografias, ilustrações, vídeos e áudios com finalidades comerciais;
é vedada a criação de obras derivadas, ou seja, o usuário não pode alterar ou transformar as obras, informações, matérias, artigos, estudos assinados, depoimentos, fotografias, ilustrações, vídeos e áudios do Site sem o devido crédito ou criar outra a partir delas sem autorização do autor.
Uso do conteúdo

7. Os usuários desse Site autorizam a divulgação, reprodução e disponibilidade dos materiais encaminhados, sem qualquer restrição, manifestando livremente sua vontade no envio de materiais, compartilhando com os propósitos e valores do Site Circonteúdo conforme licença definida no Creative Commons Attribution 2.5 License , conforme Item 3; e com os objetivos, elencados no primeiro parágrafo desse código, os quais podem ser resumidos na construção da memória política e social do circo e dos circenses.

8. As informações contidas nesse Site são fornecidas exclusivamente com propósito informativo e de divulgação de memória social do circo e dos circenses, com o objetivo de compartilhar propósitos, valores, histórias de vida.

9. O uso por terceiros do conteúdo disponibilizado neste Site somente está autorizado, para finalidades culturais, sociais, acadêmicas e educativas, sem finalidade lucrativa. Em qualquer caso, para que seja válida esta permissão, deve ser citado o Site Circonteúdo como fonte. É expressamente proibida sua utilização na elaboração de produtos (livros, apostilas, sites, exposições, entre outros) sem prévia autorização. No caso de dúvida sobre a utilização do acervo, sugerimos uma consulta ao Site através do e-mail contato@circonteudo.com.br.

10. O Site Circonteúdo não se responsabiliza, expressa ou tacitamente, pelo uso indevido das informações disponibilizadas neste Site, dos materiais disponibilizados, para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade deste as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causados ou não por este uso inadequado.

11. A promoção, por terceiros, do acesso ao Site Circonteúdo e a suas páginas através das molduras (frames) de outros websites somente será permitida com prévia informação ao Site, mediante mensagem inequívoca com prova de recebimento.

12. Matérias, artigos e estudos assinados, em especial, somente poderão ser republicados mediante prévia autorização expressa do Site Circonteúdo ou do autor. Conforme licença Creative Commons Attribution 2.5 License , Item 3.

 




 

 

 

 

Attachments:
FileFile size
Download this file (ELOGIO DA BOBAGEM.pdf)ELOGIO DA BOBAGEM.pdf12691 Kb
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Painel de entrevistas

jose_rubens_peq
José Rubens
Thumb_lily
Lily Curcio
thumb_chacovachi
Payaso Chacovachi
Argentina
thumb_muralla
Teatro la Muralla
Equador
thumb_museo
Teatromuseo
Chile





Erminia em entrevista no Jô

(+) entrevista na íntegra

Parceiros

As Marias da Graça (Rio de Janeiro - RJ)
Centro de Memória do Circo (São Paulo - SP)
El Circense (Buenos Aires - Argentina)
Encontro de Bastidor (Brasília - DF)
Escola Nacional de Circo (Rio de Janeiro - RJ)
Instituto de Ecocidadania Juriti (Juazeiro do Norte - CE)
Intrépida Trupe (Rio de Janeiro - RJ)
Panis & Circus (São Paulo - SP)
Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro - RJ)