1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Quinta, 15 de Novembro de 2018

Um dia de Circo em Paranavaí

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Marcos da Cruz Ter, 01 de Junho de 2010 23:11

Tudo começou no I Fórum de Cultura de Paranavaí (PR), onde eu e Tânia Volpato, então coordenadores do GT – Grupo de Trabalho de Artes Cênicas – colocamos em discussão a proposta de se realizar o primeiro festival de circo em Paranavaí, uma vez que grupos circenses se localizam em nossa cidade e desenvolviam os seus saberes pelas ruas, praças e centros culturais.

Após o término do fórum, foi decidido: no dia 8 de Maio de 2010 acontecerá o primeiro festival de circo de Paranavaí. Os preparativos para o festival aconteceram de uma forma tão rápida e audaciosa, que não poderia deixar de registrar neste mero relato a conquista para a cultura local e Regional. Peço ao leitor que não se prenda aos fatos aqui descritos; deixe a imaginação levar você ao mundo do impossível, ao lugar onde a magia acontece a todos os momentos, como foi o nosso festival.

Bem vindo ao circo!

 

1

foto: Amauri Martineli

Sábado 8 de Maio de 2010


O sábado prometia chuva e frente fria segundo as notícias, mas a paixão que cada um carregava dentro do peito era maior que qualquer mau tempo.

O cortejo começou a se formar no Teatro Municipal Doutor Altino Afonso Costa, onde se materializavam os saberes da Companhia Sou Arte Circense de Campo Mourão, onde que a patota toda era liderada pela Edilaine de Castro e minha primeira Professora e Mestre de circo Raquel Cruz (Palhaça Pipoca), junto com o Grupo de Teatro da 3º Idade do SESC, Cia Oficinas, e claro, a nossa Trupe Local Companhia do Circo de Paranavaí (PR).

A moto que iria fazer o enredo musical do festival quebrou, então a solução foram os instrumentos de percussão, megafone e a garganta dos artistas que cantavam a música do festival. Pernas-de-pau, malabaristas, palhaços, contorcionistas, performáticos e duos acrobáticos adentraram as ruas daquela pacata cidade, acompanhada na frente com o policiamento, Eu e Karina Lima (Palhaça Naninha) fomos à frente buzinando com as nossas motos. Quando a população olhou o cortejo, seus olhos brilharam como se os artistas os convidassem a participar da roda, resgatando de dentro de si a criança perdida no meio da correria cotidiana.

(Começa a Chover, os artistas continuam o cortejo na chuva retornando para a praça do Teatro Municipal e pausa para o almoço)

Oficina de Clown com a Palhaça Naninha

A oficina Ministrada pela Palhaça Naninha foi estimada para um público de no máximo 20 pessoas. Na hora de acontecer a oficina o número de participantes duplicou. No local, havia 40 pessoas, sendo elas artistas, curiosos, atores e bailarinos. Pensamos em deixar fazer a oficina apenas aqueles que tinham sua inscrição feita, porém a oficineira disse que todos poderiam fazer a sua oficina, proporcionando uma tarde de trocas de experiências, alegria, aprendizado e muitas gag's de palhaços, pensei eu que era muita gente, mas a oficina não deixou a desejar...

Enquanto a oficina acontecia, Eu e Edilaine Castro discutíamos no cantinho apertado da sala de dança do SESC sobre a criação do palhaço e o ator que representa a personagem palhaço. (Término da oficina).

Espetáculo Máscaras com Circo-Teatro Sem Lona de Maringá

Todos adentraram o hall do nosso querido Teatro Municipal, expectativas nos olhares que começaram a passar pela exposição sobre o circo local, exposição esta desenvolvida pela equipe do Museu Histórico de Paranavaí, coordenada por Rosi Sanga. As crianças ansiosas perguntavam sobre palhaços.

(Abrem as portas do Teatro. O espetáculo começa.)

A plateia se deliciou com o sonho de Pierrot e um beijo de Arlequim. Um espetáculo que misturava um bom enredo de músicas carnavalescas, a história foi contada, por três garis e um se posso dizer "malandro" que aproveitou a farra do carnaval e resolvera contar a estória de amor das personagens Pierrot, Arlequim e Comlombina. No final da peça o público se encontrara de pé para aplaudir o espetáculo do Grupo Circo-Teatro Sem lona de Maringá.


Núcleo de Diálogos Circenses

Todos os artistas se reuniram na Biblioteca Pública Júlia Vanderley após o término do espetáculo Máscaras, para discutirmos a linha de trabalho de cada grupo presente no festival ou seja tomarmos um café. Neste diálogo entendemos o que motivará a todos os artistas a continuar este saber milenar, e pude perceber que uma única resposta vinha à frente das outras: "A Paixão pelo Circo". Trocamos "figurinhas", conhecemos histórias fantásticas de atores, diretores, palhaços, acrobatas e admiradores.

5

foto: Amauri Martineli


Espetáculo da noite: Cotidiano – O Tempo Todo

No espetáculo da Noite, a platéia aguardava no hall do teatro.

(abrem as portas do Teatro)

O Público entrou escolhendo o melhor lugar para poder assistir o espetáculo da companhia Sou Arte Circense de Campo Mourão, os artistas já se encontravam no palco (silêncio, o espetáculo começa). O espetáculo cotidiano foi uma mistura de medo, coragem, alegria e reflexão, o espetáculo Cotidiano – O tempo todo, com gestos precisos e audaciosos, nos mostraram a estória do mundo capitalista onde as vezes pensamos tanto no sucessos, pessoal, profissional, que acabamos esquecendo das "coisas" belas e simples da vida, neste espetáculo a platéia interpretava os movimentos coreografados ao seu ponto de vista e vivências. O Grupo Sou arte Circense causou na respectiva platéia um ponto de interrogação que levou a uma reflexão sobre o espaço em que vivemos.Tudo isso e muito mais guardados dentro daquele espetáculo de uma hora.

Cabaré Circense

E assim encerramos a nossa noite com a Banda The Menttes, Cia. Sou Arte Circense, Cia. Do circo de Paranavaí e alguns artistas e admiradores que se inscreveram no cabaré.

Deixo aqui um pequeno relato do que foi o I FestCirco – Um dia de Circo em Paranavaí. Acredito que todos que participaram do festival resgataram memórias perdidas, sorrisos escondidos, amores, paixões. No festival, o público foi convidado a voltar a ser criança, para assim entrar na roda e cantar, dançar cantigas esquecidas; cantigas essas que o mundo insiste em dizer não, enquanto o nosso mundo circense, diz sim.

 

Comentários   

 
0 #1 CirconteúdoGuest 30-10-2018 14:18
I see you don't monetize your website, don't waste your traffic, you can earn additional
cash every month. You can use the best adsense alternative for any type of
website (they approve all websites), for more info simply search in gooogle: boorfe's
tips monetize your website
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Painel de entrevistas

jose_rubens_peq
José Rubens
Thumb_lily
Lily Curcio
thumb_chacovachi
Payaso Chacovachi
Argentina
thumb_muralla
Teatro la Muralla
Equador
thumb_museo
Teatromuseo
Chile





Erminia em entrevista no Jô

(+) entrevista na íntegra

Parceiros

As Marias da Graça (Rio de Janeiro - RJ)
Centro de Memória do Circo (São Paulo - SP)
El Circense (Buenos Aires - Argentina)
Encontro de Bastidor (Brasília - DF)
Escola Nacional de Circo (Rio de Janeiro - RJ)
Instituto de Ecocidadania Juriti (Juazeiro do Norte - CE)
Intrépida Trupe (Rio de Janeiro - RJ)
Panis & Circus (São Paulo - SP)
Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro - RJ)