1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Quarta, 24 de Janeiro de 2018

Era uma vez um elefante que se equilibrava por um fio...

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Alice Viveiros de Castro Ter, 09 de Fevereiro de 2010 16:24

O texto abaixo, foi escrito por Paulo Ormindo Azevedo, Conselheiro do Conselho Nacional de Política Cultural, arquiteto, Professor Doutor da Universidade Federal da Bahia, especialista em Patrimônio Imaterial. No dia 17 de novembro foi lido diante dos Ministros da Cultura, Juca Ferreira e do Meio Ambiente, Carlos Minc.

O homem tem utilizado desde as épocas imemoriais para lhe ajudar no trabalho, no transporte, na caça, na guarda e como fiel companheiro. Mas também como esporte, laser e magia. Desenvolveu com ele relações que vão desde o afeto e o carinho até a dependência e a dominação. E os animais entendem esses sentimentos e retribuem no mesmo tom. A domesticação é, com toda educação, um processo de aculturação.

Os animais, inclusive os mais balofos paquidermes, fazem parte de nossa cultura imaterial. Não é por outra razão que eles são personagens importantes da literatura infantil, do cinema de animação, dos gibis, do bumba meu boi, do jogo do bicho e do circo. Quem não se lembra do espanto ao ver pela primeira vez um surrealista camelo desfilando numa cidade do interior em meio a ruidosos palhaços e um urso pedalando uma bicicleta de madeira do companheiro Leonardo ou um elefantinho plantando bananeira sob lona de um circo mambembe.

Pois neste país de milhares de crianças abandonadas e presídios transbordando literalmente pelo ladrão, querem tirar os bichos do circo, sob o pretexto de que são maltratados. Os camelos e leões são um dos pontos altos dos espetáculos circenses e seus proprietários não querem perder estas galinhas de ovos dourados, que custam fortunas, o que não exclui que em muitos casos esses animais sejam enjaulados e transportados de forma inadequada.

Por que essas caridosas criaturas não fazem campanha proibindo o abate de milhões de aves, bois, porcos, peixes diariamente para serem devorados nas churrascarias e restaurantes de todo o mundo? Por que não propõem a exclusão da Espanha da União Européia por permitir as touradas, ou que se proíba toda pesquisa científica com cobaias e humanos chipanzés?

Se existem maus tratos nos circos, se a carne não é de primeira, eles devem ser abolidos, mas não os animais. Precisamos, sim, criar ao lado do Estatuto da Criança e do Adolescente o Estatuto dos Animais, como fizeram os europeus e norte americanos, para regular o tratamento, não só dos bichos de circo e safári, como os de tração, de guarda e cobaias. E que se penalize adequadamente os traficantes de animais silvestres, os promotores de farras do boi e rinhas de canários, galos e cachorros.

Mas não contribuam para que o circo se acabe em nosso país, exatamente quando ele renasce em todo o sistema Soleil. Com ele morreriam o suspense, as quimeras, a ilusão, a magia, humor, e a fantasia. Caro Ministro, vós que sois o próprio MinC, não permitas que esta corda se parta e toda magia seja globalmente desfeita.



 

Comentários   

 
0 #1 Animais no CircoAdonis Rios 17-02-2010 12:34
É muito lamentavel assistir circo de renome que passam por crises financeiras.Seg undo alguns,essa "crise" está associada a proibição de animais no circo.A lei no Brasil é como buraco em rodovia, "agente põe placa de aviso,mas não arruma a estrada".Muito bem citado no artigo,as "placas" são postas mas o buraco que tirou o emprego de muitas famílias e funcionários ficou,tirando do circo não só seus atrativos mas o mais importante,sua característica como circo.O resultado são circos sucateados e sem graça.Sou gestor comercial e amante de circos,vejo com tristeza que,uma das artes mais antigas de espetáculo,são mal administradas,s em apoio e sem planejamento.O circo é tratado como empresa e como toda empresa Brasileira,o "dono" é quem lucra...E,falan do em lucro e animais de circo, por que não proibimos as festas de "Peão de Boiadeiro"? Será que o boi ou o cavalo se "DIVERTEM"? Não posso dizer nada sobre as "grandes" festas, mas sei que em algumas festas regionais as "apostas" correm soltas.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Painel de entrevistas

jose_rubens_peq
José Rubens
Thumb_lily
Lily Curcio
thumb_chacovachi
Payaso Chacovachi
Argentina
thumb_muralla
Teatro la Muralla
Equador
thumb_museo
Teatromuseo
Chile





Erminia em entrevista no Jô

(+) entrevista na íntegra

Parceiros

As Marias da Graça (Rio de Janeiro - RJ)
Centro de Memória do Circo (São Paulo - SP)
El Circense (Buenos Aires - Argentina)
Encontro de Bastidor (Brasília - DF)
Escola Nacional de Circo (Rio de Janeiro - RJ)
Instituto de Ecocidadania Juriti (Juazeiro do Norte - CE)
Intrépida Trupe (Rio de Janeiro - RJ)
Panis & Circus (São Paulo - SP)
Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro - RJ)