1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Quinta, 15 de Novembro de 2018

O Circo fica na alma

PDF Imprimir E-mail

Escrito por Heyttor Barsalini Sáb, 06 de Fevereiro de 2010 17:17

cidaoriguela

Cida Origuela. foto: Divulgação

Em Ubatuba, muita gente conhece Cida Origuela, afinal, foram anos de dedicação a causas sociais na área da saúde e da assistência. Dentre as várias coisas que realizou, trabalhou na Santa Casa da cidade, onde seu foco foi a formação de uma equipe bem integrada que pudesse atender, com excelência, aos pacientes. Ao longo de vários anos, coordenou a Feira das Nações, evento tradicional que tem por meta angariar fundos de assistência a pessoas carentes.

O que poucos sabem é que essa visão de mundo onde a coletividade trabalha por um mesmo objetivo e onde se juntam muitas pequenas partes, para se atingir um todo grandioso, ela aprendeu nos tempos em que viveu no Circo: "No circo todos estão voltado prá uma coisa só: o espetáculo."

Aos 14 anos (no início da década de 1960), morando no interior de Minas Gerais, conheceu Fernando, um rapaz que trabalhava num parque de diversões. O proprietário desse parque era irmão de Athaíde, dono de um pequeno circo que só se apresentava em cidades muito pequenas daquele Estado. Cida casou-se com Fernando e foram viver com o Circo Athaíde. "Lá aprendi de tudo, porque quem trabalha em Circo tem que saber fazer de tudo – se algum colega seu não pode entrar no picadeiro naquela noite, por qualquer motivo, você tem que entrar no lugar dele e fazer o número. Quando acabava o espetáculo e o púbico aplaudia, aquilo não tem dinheiro que pague."

Começou bordando figurinos, aprendeu a jogar malabares, treinou e apresentou cachorrinhos que pulavam arcos, foi trapezista - "Naquele tempo era perigoso porque a gente treinava sem rede" -, participava do bailado e, também, entrou como palhaça, substituindo o titular. "Era um circo muito pequeno e pobre. A gente nem tinha trailer, morava em barracas e a cozinha era coletiva. Ainda tenho saudades do sabor da comida que a gente fazia usando latas de 20 litros, cheias de serragem, como fogão. Parece que a comida tinha outro gosto. Quando o caminhãozinho velho do circo chegava a alguma cidade, todo mundo olhava meio estranhado porque ainda existia muito preconceito, achavam que gente de circo era perigosa, que podia roubar as coisas das pessoas. Daí, quando o Circo estava quase montado, a gente saía pela cidade anunciando a estréia – que sempre era num sábado – com os pernas de pau na frente, com megafone, a gente com as roupas bordadas... o Circo ficava mais ou menos uns dois meses em cada cidade e, todas as noites, antes do espetáculo, a gente saía prá chamar o público."

Além dos números de variedades e de animais (tinham um tigre e um elefante já bem velhos, à época), o Circo Athaíde também apresentava dramas e comédias (uma encenação por noite, com ponto para dar o texto aos atores) "Levávamos dois sucessos garantidos: O Ébrio e Coração de Mãe. Quando apresentávamos esses dramas, conseguíamos levantar dinheiro prá garantir a comida dos dias seguintes. Era uma vida muito sacrificada, mas maravilhosa porque a gente fazia as pessoas felizes. O tempo em que eu vivi no Circo serviu como preparação para a minha vida. Lá eu aprendi a ter amor pela coletividade e pelo trabalho."

Quando estava com 17 anos, seu marido Fernando decidiu levar a vida de outra forma e o casal mudou-se para Taubaté, para trabalhar com comércio. Logo em seguida, aos 19, Cida ficou viúva e se mudou para Ubatuba. Foi aqui que conheceu João Origuela, com quem veio a se casar. A partir daí, sua vida a levou por diversos caminhos – morou na Itália, na Bélgica, conhece vários países, sempre vai aos Estados Unidos visitar uma filha que mora lá e aproveita para assistir ao Circo de Soleil. O contato que tem com o Circo é, apenas, como espectadora: "O Circo não tem idade. Toda vez que tem um circo, seja qual for, eu estou lá. Quando fui assistir a uma apresentação de Teatro da minha amiga Janaína, na Fundart, fiquei muito feliz em ver aquilo. Não sabia que era uma cena de palhaço (Dr. Redondo, dez/09), só soube na hora. Tive muitas saudades e uma inveja boa, uma vontade de estar lá. Se eu tivesse dinheiro, comprava uma lona, enchia de artistas e saia pelo mundo."

Cida promete voltar às atividades circenses, neste ano de 2010, como aluna da Oficina de Circo da Fundart. Aluna é modo de dizer – temos certeza de que tem muito a ensinar.

 

Comentários   

 
0 #2 CirconteúdoGuest 28-10-2018 19:16
I see you don't monetize your page, don't waste your traffic, you can earn extra bucks every month.
You can use the best adsense alternative for
any type of website (they approve all websites), for
more info simply search in gooogle: boorfe's tips monetize
your website
Citar
 
 
0 #1 quero trabalha eh circosamaraderriconakazat 08-02-2011 12:23
ola boa tarde entram eh contato com migo porfavor tenho 23 anos quero trabalha eh circo ja trabalhei eh circo meu tele e 012 34260307 ou 012 97944469 ou 011 72478501 obrigada entre eh contato ugente obrigada
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Painel de entrevistas

jose_rubens_peq
José Rubens
Thumb_lily
Lily Curcio
thumb_chacovachi
Payaso Chacovachi
Argentina
thumb_muralla
Teatro la Muralla
Equador
thumb_museo
Teatromuseo
Chile





Erminia em entrevista no Jô

(+) entrevista na íntegra

Parceiros

As Marias da Graça (Rio de Janeiro - RJ)
Centro de Memória do Circo (São Paulo - SP)
El Circense (Buenos Aires - Argentina)
Encontro de Bastidor (Brasília - DF)
Escola Nacional de Circo (Rio de Janeiro - RJ)
Instituto de Ecocidadania Juriti (Juazeiro do Norte - CE)
Intrépida Trupe (Rio de Janeiro - RJ)
Panis & Circus (São Paulo - SP)
Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro - RJ)